Os meios alternativos de solução dos conflitos estão cada vez mais sendo procurados e utilizados no Brasil, em razão do grande número de demandas que chegam diariamente ao judiciário, e principalmente, em razão do custo compatível e da eficiência e agilidade na solução das controvérsias.
A arbitragem, a mediação e a conciliação têm as vantagens da celeridade, da liberdade da escolha do árbitro, da informalidade e da flexibilidade do procedimento, da autonomia das partes, da irrecorribilidade das decisões, da ação voluntária e, principalmente, da confidencialidade, dentre outras boas características que buscam a solução dos conflitos, distanciando-se dos clássicos combates entre autor e réu no Judiciário, que perduram indefinidamente.
Nós, da Câmara de Conciliação e Julgamento Arbitral “Franco Cocuzza” – CCJA FC, acreditamos que esses caminhos alternativos, elevados agora à condição de justiça colaborativa pelo novo CPC, representem novo enfoque de acesso à justiça, para garantir a inclusão social e, por fim, a plena promoção à justiça.

“O árbitro visa à equidade, enquanto o juiz, à lei; por isso que o árbitro foi criado: para que a equidade seja aplicada”.
(Aristóteles).